Mousse de Chocolate Gourmet para o Dia dos Namorados

Come chocolates, pequena; Come chocolates!

Olha que não há mais metafísica no mundo senão chocolates.

Olha que as religiões todas não ensinam mais que a confeitaria.

Come, pequena suja, come!

Fernando Pessoa como Alvaro de Campos

Então, nada melhor que um chocolate incrível. Para nossa sorte, há algum tempo começou no Brasil a preocupação com a produção de cacau de alta qualidade e algumas marcas tem se dedicado a produzir chocolates que realmente não ficam atrás de nenhuma produto premiado.

Na semana passada, ganhei de presente uma amostra da linha Unique, produzida pela Harald. A Harald (www.harald.com.br) é uma empresa que produz chocolates há décadas e tem uma linha de produtos enorme. Gente, as barrinhas são sensacionais!!!!!

10428848_10204062780753665_1276417759_nO “terroir” de cada tipo é super característico, os aromas bem marcantes e cheios de personalidade: Amazônia 70% – feito com cacau orgânico do Baixo Xingu Bahia 63% – Fazenda João Tavares Bahia 53% – Fazenda M. Libânio (produção que tem o selo Rainforest Alliance) Brasil 35% – Seleção de cacau brasileiro.

Difícil dizer qual gostei mais !!!! Além do super orgulho de ver mais um chocolate bacana “made in Brazil”, pensei em um detalhe que vale a pena lembrar: Todo mundo adora falar em sustentabilidade e comércio justo (“fair trade”). Acho que quando temos um produto local fica bem mais fácil saber se a produção é feita de um jeito legal para todo mundo!

Depois de experimentar todos eles, fiquei pensando no que fazer com um produto tão incrível. Como estamos perto do Dia dos Namorados pensei em uma sobremesa simples e fácil de preparar para arrematar um jantar bem especial. Na hora me veio a ideia de uma mousse de chocolate. Mas, eu queria uma mousse em que o chocolate fosse a estrela, realmente. Lembrei então de uma receita que aprendi há muito tempo, da chef Ghislaine Arabian.

Ela é belga, e durante anos comandou a cozinha do Ledoyen de Paris, ocasião em que tinha 2 estrelas Michelin. A mousse dela era feita só com chocolate amargo e claras de ovos. Acabei usando as gemas também, para um pouco mais de estabilidade. Esta receita é uma homenagem a um bom chocolate, porque o sabor vem todo do cacau.

Ingredientes:

160 g de chocolate meio amargo de excelente qualidade (usei Melken Unique Amazonia 70%) em pedaços

5 gemas peneiradas

2 colheres de sopa de água

1 colher de chá de extrato de baunilha

½ xícara de açúcar

4 claras

10438753_10204062772873468_148684044_n

Derreta o chocolate em banho-maria. Leve as gemas ao banho maria e cozinhe, batendo sempre com um fouet até que fiquem quentes ao toque. Retire do fogo e junte a água e a baunilha. Misture ao chocolate derretido. Reserve.

10416689_10204062777553585_443126234_n

10416993_10204062778153600_136235931_nColoque o açúcar em uma panela e cubra com água. Leve ao fogo e cozinhe até o ponto de fio fraco.

10423583_10204062779033622_1482962350_n

Ao mesmo tempo, bata as claras em neve e despeje a calda quente com a batedeira ligada.

10432296_10204062779513634_1465622575_n

Bata até que a mistura esfrie. Delicadamente, misture as claras (aos poucos) à mistura de chocolate e gemas. Com cuidado para não perder o volume!

10416690_10204062779873643_1045030011_nColoque em taças e leve à geladeira por duas horas. (rende 8 porções de 50 gramas)

10409880_10204062780193651_1062905158_n

Dica de Leitura: Peyton and Byrne

1512765_270581683096755_1107442137_n

O post de hoje me lembra um pouco minha viagem à Londres – que já foi assunto aqui no blog, inclusive.

Quando estava lá, fui algumas vezes na “Peyton and Byrne”, uma confeitaria e casa de chás bem inglesa. Na verdade, eles vendem de tudo. Dá para almoçar também, com opções deliciosas de sanduíches e saladas.

IMG-20140206-WA0001

 

O nome é uma homenagem aos pais do chef Oliver Peyton, fundador. Acabei comprando o livro de receitas que estava a venda: Peyton and Byrne, “British Baking” e o foco da publicação são receitas tradicionais inglesas (sensacionais!). Mas o que me impressionou muito foi a introdução, escrita pelo próprio chef:

“If you give two people a football and tell them to score a goal from a certain spot, those two people will never kick or score in the same place.Baking is like that; you give two people a recipe and the same ingredients and invariably the finished dish will turn out slightly, if not totally, different. The fact is, it’s about your personal touch and the environment in which you make it. The result, unlike conventional cooking, is that you taste a piece of the person when you bite into a cake os a pastry they made”

Além de valorizar os bolos e biscoitos genuinamente ingleses, ele explica porque duas pessoas com a mesma receita de bolo, torta ou biscoito nunca vão fazer exatamente a mesma coisa. O toque pessoal, ingredientes e ambiente fazem toda a diferença! Assim, ao contrário da cozinha tradicional, quando você come este doce está experimentando um pedacinho de quem fez! ❤ ❤ ❤ Achei lindo!!!

IMG-20140206-WA0000

Produzindo a versão mini do bolo Cesta de Cajus

mini bolo cestinha pronto

Um tempinho atrás produzi uma quantidade grande de “cestinhas de caju” – uma versão mini do bolo “Cesta de Cajus” que aparece no meu livro: Doce Brasil bem Bolado. Queria dividir com vocês as etapas desta produção:

modelando os cajus

Tudo começou com a modelagem dos cajus, que pode ser feita com antecedência. Aqui, eles estão em cima de um pouco de Açúcar impalpável, para que não fiquem achatados enquanto secam.

Ingredientes???

Haja caju!!! O recheio é um doce de caju feito com as frutas mais frescas e maduras que puder encontrar.

ingredientes

Os cajus foram cozidos em uma calda de açúcar, e depois transformados em um purê.

cajus na calda de acucar

Aqui, depois de confeitados, os bolinhos sendo embalados:

mini bolos caju

Descobrindo Bolos com Ana Elisa Salinas

IMG-20131228-WA0000

Eu sempre recebo muitos e-mails e comentários no blog pedindo dicas de livros sobre decoração artística de bolos. E com certeza não faltam livros lindos e super completos por aí, mas quase sempre são em inglês.

Quando lancei meu primeiro livro “Doce Brasil Bem Bolado” nosso foco era  a cultura brasileira e idéias que buscam inovar a maneira como vemos nossos bolos. Coloquei um capítulo sobre técnicas, sem a pretensão de esgotar o assunto.

doce-brasil-bem-bolado---morena-leite-e-otavia-sommavilla_5689946_1664490

Este ano, ganhamos um presente!

A Ana Elisa Salinas, profissional super requisitada e das mais experientes, lançou um livro que traz tudo o que é importante saber para um bolo lindo e bem decorado:”Descobrindo Bolos” na minha opinião, é um ” manual”, um ” guia”, daqueles que vale a pena ter por perto. Mesmo que você descubra que faz algumas coisas de outra maneira, é sempre bom ouvir a experiência e as dicas dela, que trabalha a anos com a mãe, Ana Salinas, em um atelier no Rio de Janeiro.

IMG-20131229-WA0001

 

Eu super recomendo!!!!!! Já vi em livrarias em SP e você pode ter mais informações no site: www.anaelisasalinas.com .